quarta-feira, 28 de junho de 2017

Por um instante, ainda


Por um instante, ainda


Se a vida parar
se a tela do mundo escurecer
se o brilho do asteroide ainda conseguir nos alcançar
pronta estarei para tudo
que pode ser um nada
o vazio de um amor que não pode esperar


não importa o som dos pássaros
o alarido de algum nada a me chamar
estarei disposta
recosta aqui sonho meu
abre todas as comportas
pensa que existo
com isto me leva onde quiseres

se pensas que sou eu - ainda
se reflito a cor do pensamento teu
retira-me do ponto de partida
anula-me num todo inconsequente
e pula-me a brincar de vida
porque ela é sim
a dona disso tudo

enquanto minha dor resplandecer
num tolo e mágico segundo
atira-me a ti 

[que - juro - não resistirei]


Eliana Mora, 30/03/2013 

[Baú]

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Minha poesia agradece.