segunda-feira, 14 de agosto de 2017

Alegria de Jardineiro


Alegria de Jardineiro



Hoje senti isso.

Muitos já devem ter sentido essa alegria
incrível
ao ver que nasceu uma flor
em sua casa



[jardineiros são muito amados]




Eliana Mora, 14/8/2017

sexta-feira, 11 de agosto de 2017

Dos encontros consigo mesmo


Dos encontros consigo mesmo



Nesses momentos
a seiva da vida penetra nos poros
mas alcança mais fundo


Ali
brilham as vozes de  uma cor só tua
fina
castiça
recanto sutil dos desejos
venturas
e saudades

Um país de algodão
flor de baunilha
merengue

[e céu]




Eliana Mora, agosto/2017

Instantes de Acalanto


Instantes de acalanto



na cor da pétala
o reino
a beleza
o desejo
que fluem ainda pelo corpo
a inventar um beijo
encantar sentidos
vislumbrar momentos
de completo

esquecimento



Eliana Mora, 11/8/2017

sábado, 5 de agosto de 2017

Uma tradução para leigos


Uma tradução para leigos



porque desejo a vida
porque vejo o que pode florir
porque revelo em mim
os tantos segredos guardados
porque sei o que é
porque vou buscar
é que digo no momento
que nem vento 

nem tempestade de areia
irão inchar meus olhos:
eu continuo a ver
a sentir
e a querer




Eliana Mora, 5/08/2017

quarta-feira, 2 de agosto de 2017

De repente, descobri


De repente, descobri



Pode ser
que eu me enfeitice
me modele
me alucine
desça correndo o declive
sem medo de escorregar

Pode ser
que eu me arruíne
mas estarei a cantar
porque a vida
sem paixão
é prenúncio

de acabar




Eliana Mora, 02/08/2017

segunda-feira, 31 de julho de 2017

Um céu me apareceu


Um Céu me apareceu



Um céu lúcido
sem dobras
sem marcas
pingos 
ou pontos de dúvida sobre 
seu azul

E para onde 
- diga-me -
para onde olharia um ser
para onde voltaria seus clamores

se não para este céu?



Eliana Mora, 24/7/2012

domingo, 30 de julho de 2017

À procura de um fio de meada


À procura de um fio da meada


Quase nada
apenas a dor 

que percorre o ziguezague do pensamento
e nada de encaixar-se em algum lugar


Sai de lá de dentro
volta
mas nada de acertar
aquele ponto

aquela forma precisa 

No desterro
no aterro
nas calçadas
no perdão


No livre conduzir dos passos
na montanha
na saída
no delírio

[na ilusão]


Eliana Mora, 30/07/2017

quarta-feira, 26 de julho de 2017

A massa de moldar [do Mundo]


A massa de moldar [do Mundo] 



A marca de todos os dedos
fica em mim
como se fosse a massa de moldar 

do mundo

poderia empurrar o mal
para outro lado
limpar o corpo daquelas manchas
roxas
verdes ou azuis

a marca
os dedos pesados

o chão escravo
a via torta de acesso

a ilusão

A marca de todos os dedos
no vão livre
esmaga 

com pés insensatos
a multidão
ou

[os que não podem mais (r)
existir]




Eliana Mora, 22/07/2017

segunda-feira, 24 de julho de 2017

Sempre há quem resista


Sempre há quem resista



Sim
você pode matar muitos
exterminar o mundo
toda a vida ao seu redor
mas o que não pode mesmo
é acabar com aquela flor
a que nasce no fundo do peito
que resiste
e que clama pela vida

Sim
você pode 'matar a morte'
como quis Romain Rolland
porque ela, a vida  

precisa continuar a se abrir
a tudo que não é vão

a todos os sonhos de amor

de beleza

e de perdão



Eliana Mora, 21/07/2017

sexta-feira, 21 de julho de 2017

Uma liga muito pessoal


Uma liga muito pessoal



A liga que se forma
aos poucos
dentro de nós
vem de outros antigos metais
junta-se ao nosso sangue
e à luz de muitas emoções
modifica-se
adorna nossos sonhos
vê a vida em prismas
e marcas escondidas

A liga que nos forma
é muito antiga
mas cada um de nós
[mestre em transformações]
altera pouco a pouco
seu modelo
para que sempre sempre

possa definir-se 
mais

possa brilhar 

melhor



Eliana Mora, 15/7/2017

quarta-feira, 19 de julho de 2017

Caminhos


Caminhos




Em frente
um mar que não se vê
do lado
muitos horizontes
e a pele a dizer palavras
desconexas
recordam estradas
caminhos 

lugares
por onde passei
e por onde partículas de mim
se espalharam
assim
a me deixar meio completa
meio costurada


Não.
isso não se vê


Isso
só se pode 


sentir


Eliana Mora, 18/07/2017

sexta-feira, 14 de julho de 2017

Maneira qualquer de te querer


Maneira qualquer de te querer



Verde
Que te quero assim
sem cor qualquer
debruçado
espalhado pelo chão

Verde
Que quero azul
ou de qualquer maneira
guardado aqui
tatuado
no meu coração

Verde
Que te quero lua
em meus pensamentos a bailar
como se eu
te estivesse a recitar

Ver-te!
Que somente quero poder
te sentir

[e recordar]




Eliana Mora, 13/07/2017

quarta-feira, 12 de julho de 2017

Face a Face


Face a Face



Num cenário de cidade
ou em qualquer outro lugar
tudo pode acontecer

o que pode interferir num
[e no outro]
é sua natureza peculiar

qualquer coisa pode estar ali
placidamente

deitada 

sobre um vulcão



Eliana Mora, 12/07/2017