sábado, 19 de setembro de 2009

Still life in the Garden


Still life in the Garden



grávido de segredos e de vida
percebo o ventre meu
a imaginar falésias gigantes coloridas
pensar mesmo em fazer parte de uma tela expressionista
porém ao mesmo tempo
flor pequena
quieta
como o brinco da princesa
adorno a esconder-se calado
nos sonhos

do jardim



Eliana Mora, 21/01/2006

6 comentários:

  1. seu poema trazendo ao mundo todos os seus sonhos...
    um grande abraço.
    Jefferson

    ResponderExcluir
  2. Enquanto água, também gosto de pass(e)ar calado nos sonhos dos jardins. Belo, belo. Paulo Viggu/Riodaqui

    ResponderExcluir
  3. Sim, de certa forma é o desenho que traça...

    Um abraço, Jefferson!

    El

    ResponderExcluir
  4. Sempre seremos os seres d'água, divinos por natureza, necessários...

    Deixo aqui o abraço, Paulo

    El

    ResponderExcluir
  5. Olá, El! Vim descobri-la aqui, passando por outros blogues e .. gostei muito ! Fico seguindo para a visitar mais vezes.
    Beijos.

    ResponderExcluir
  6. UMA HONRA, FERNANDA!

    Cada olhadinha tua, vale muito: um, mil poemas...beijos a ti.

    El

    ResponderExcluir

Minha poesia agradece.