quarta-feira, 7 de dezembro de 2011

Jamais o derradeiro Passo






Jamais o derradeiro Passo



Uma terra estrangeira
ganha espaço no ventre do meu corpo
como se meu país não me quisesse mais
tomar-me em seus braços

como se hoje eu não mais me pertencesse
como se um novo julgamento me prendesse
e eu ali estivesse – quase extraditada do meu ser

quero aprender como se faz
para dar novamente mais um pequeno 
e verdadeiro passo

na busca do país que já conheço
[e está em mim




Eliana Mora, julho de 2011

4 comentários:

  1. [nas palavras onde se escondem linhas de novas fronteiras, caminhando, passo a passo no interior

    do corpo, da palavra]

    um imenso abraço, Eliana

    LB

    ResponderExcluir
  2. 'se escondem' a esperar
    como que em quietude
    que todas as tormentas passem
    assim, devagar

    beijo enorme, Leonardo
    El

    ResponderExcluir
  3. tocante Eliana! Quantas vezes hesitamos ou esquecemos o passo seguinte? beijos meus

    ResponderExcluir
  4. hesitar não é bom, esquecer - até por várias circunstâncias - pior é....temos de seguir, sim

    beijos, Lázara.
    El

    ResponderExcluir

Minha poesia agradece.