terça-feira, 17 de abril de 2012

Tear de Fragilidade


Tear de fragilidade 
 
 
 
céu quase branco
tela imensa
quase desbotada
como que a pedir vida
criações de qualquer cor
a se iludir 
 
tal qual nós nos iludimos
ao desenhar rios e mares em nosso destino
como se nenhuma tempestade
seu estado viesse a alterar
podemos sim criar rabiscos
desenhos, obras sem igual
 
sempre neles haverá o toque
[a mão do Desconhecido
nossa fragilidade ali está :
é aquela que iremos perceber
 nos fios do tear
 
da nossa própria vida
 
 
 
Eliana Mora, 28/3/2012

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Minha poesia agradece.