quarta-feira, 6 de novembro de 2013

A tenda, o sol, a renda





A-tenda, o sol, a renda


A sombra da tenda 
cobria-me toda

e o sol ardia ainda
ao passar 
naquele instante
pela renda invisível
quase nobre
que me escondia o rosto

deixando nele
[indelevelmente]
minúsculos
abrasivos

hieróglifos 


Eliana Mora, 06/11/13

7 comentários:

  1. [como corpo

    tecido,
    com o vagar luminoso do dia.]

    um imenso abraço, Eliana

    Lb

    ResponderExcluir
  2. como verso que sai de teus dedos
    [ó poeta]

    sempre
    beijos,

    Eliana

    ResponderExcluir
  3. Gostei do poema, do sol enfeitado de renda. Parabéns, abraços.

    ResponderExcluir
  4. Obrigada, Graça Graúna

    Aqui então,
    agradeço com beijos rendados. Eliana

    ResponderExcluir
  5. Como o vento
    Descobrindo
    O oculto
    Das pedras

    ResponderExcluir

Minha poesia agradece.