sexta-feira, 24 de janeiro de 2014

Uma quase Promessa





Uma quase promessa


Quando sorriu
deixou aparecer uma antiga alegria
[onde estava?]
seu rosto se abriu
como portões de uma velha casa
onde lençóis escondiam
móveis entalhados

assim
deu a entender que jamais
nunca mesmo, jamais
ficaria a se esconder por detrás

dos altos muros




Eliana Mora, 23/1/14

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Minha poesia agradece.