terça-feira, 7 de outubro de 2014

A Espera




A espera


Desenhar na mente muitos rostos
e muitas multidões
desdenhar ao mesmo tempo de sonhos, 
hinos e canções 

Por quanto tempo ainda 
não parar para cantar o belo
[sem razões]?

Por quanto tempo ainda?


Eliana Mora, set/2014

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Minha poesia agradece.