sexta-feira, 25 de março de 2016

V i d a


Vida



por vezes nela penso como algo que tem asas 
unhas até dentes
deusa
a quem nos vamos ofertar
e que ao transformar-se em obra-prima
torna-nos

escravos





Eliana Mora, sem data

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Minha poesia agradece.