quarta-feira, 8 de fevereiro de 2017

O Corpo [III]


O Corpo [III]


Se agora dormes
distante estou sonhos lacrados

Desperta para a vida que ressona em ti
[onde não tenho espaço]
visualizo abraço
como a tocar a pele do teu corpo 

que suave certeza tenho 
ainda é

Aos poucos os delírios acordada sinto
como se fácil fosse gritar 
e teu instinto despertar sem medo

Aponto a janela com meus dedos
atrás dela tudo vibra sente vive
podias ser um anjo ou pássaro a voar por ela
e de repente 

asas encostar em mim
ainda que estivesses transparente qual fumaça
teu peso sentiria


Aqui
orquídeas dormem

a te esperar



Eliana Mora, 06/04/2008

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Minha poesia agradece.