quinta-feira, 30 de abril de 2009




Poema dos meus quatro elementos



Queria escrever num só poema
água pedra força e cal
como conquista faço desses elementos
a dor salgada forte funda
universal

a pedra se resume em muitos elos
um núcleo cego
estrutura começada
começo digno e um sem fim de sentimentos
trigal escuro
quase início de uma estrada

a água que preserva e reaviva
é parte da estrutura elementar
quando uma lágrima espalha o próprio brilho
desenha dunas becos ilhas
e vazios

a força que por vezes nos engana
está em tudo
tem poder subliminar
batiza a alma de certeza e desafio
eleva o gosto
é o mote de acertar

a cal em fina tez é elemento
que por capricho só isola os esquecidos
sagrada, pura e branca
- eternidade -
refúgio
sal e lira dos sozinhos

ensaio e ato dos que não aconteceram

somos assim
ou sou
vemos assim
ou vejo

na estrada
o véu que cobre a dura face
completa o quadro rabiscado

de nós mesmos



©)Eliana Mora, 28 de março/2007
[revisitado e refeito em 29/04/2009]

4 comentários:

  1. Que bom que agora posso te ver por aqui...bj

    ResponderExcluir
  2. Todos esse elementos ganham mais força coma a tua poesia.Gostei de vir aqui e voltarei sempre que possivel. Paz em Ñanderu (Nosso Pai, em guarani), Grauninha

    ResponderExcluir
  3. Mas que delicia te ver!

    Que belas palavras deixaste, Grauninha....só posso dizer que bom!!! sim, venha!!

    beijo e Paz!
    El

    ResponderExcluir

Minha poesia agradece.