terça-feira, 30 de junho de 2009



O CORPO
_______________________________________1ª parte


ali
no meio dos lençóis
pode ser o corpo solitário
o que canta breves sons em eterna disponibilidade
pode ser o cofre o lacre
de idéias que não abrem mais
leve e calmo pode ser recordações de mansos dedos
a nele escorregar
para sempre impressões digitais
pode ser dia ou noite a pedir ou ocultar as rimas de um parceiro
seus céus e vales e montanhas a conter vagas ou presentes
sensações
vagas de um mar antigo [que povoa sonhos]
em angulo celeste
leste/oeste
o corpo é a casa _ de nossas ilusões.


Eliana Mora, 20/02/2008
_____________________________________________2ª parte

em toda casa há cômodos
há luz em toda casa
mas na casa em que o corpo dorme
a vida é que reluz e some pelo espaço
pelos rios e devassos pântanos das imensidões
e falta sempre um
e faltam sempre mais sensações que ali
logo ali podem secar ao sol molhar à chuva
que importância
a sensação é rainha de todos os reinos e instâncias
de todos os motivos
vivos
em toda casa em que há alimentos
movimentos e elementos
corpos vibrarão
de forma quase imperceptível


Eliana Mora, 11/03/2008
_________________________________________3ª parte

se agora dormes
distante estou sonhos lacrados
desperta para a vida que ressona em ti
[onde não tenho espaço
visualizo abraço
como a tocar a pele do teu corpo que suave
certeza tenho ainda é
aos poucos os delírios acordada sinto
como se fácil fosse gritar e teu instinto despertar
sem medo
aponto a janela com meus dedos
atrás dela tudo vibra sente vive
podias ser um anjo ou pássaro a voar por ela
e de repente asas encostar em mim
ainda que estivesses transparente qual fumaça
teu peso sentiria

aqui
orquídeas dormem
a te esperar



Eliana Mora, 06/04/2008

4 comentários:

  1. Estou aqui, maravilhada, El! Pareço ler meus pensamentos, que eu mesma jamais diria tão bem. Que poema lindo, El... Lindo! Sem mais palavras, vou ler, reler e ler de novo, simplesmente lindo!

    Bjs

    Ada

    ResponderExcluir
  2. Querida me deixas tão feliz, tu nem sabes...como é bom 'saber tocar' certo instrumento, o nosso, a Poesia...

    beijos
    El

    ResponderExcluir
  3. Venho ler mais versos seus, El, e acho estes, que devoro. Tudo muito, muito bom.

    ResponderExcluir
  4. Ai que bom!
    [mas não decifres, por favor...]


    beijos e abraços
    El

    ResponderExcluir

Minha poesia agradece.