sábado, 19 de dezembro de 2009

Sustenido, maravilha, e raspas de Luar


Sustenido, maravilha, e raspas de luar



Adagio
sustentado sustenido
iluminado
revestido por velas de cor de sépia
fogo que não arde
mas se inscreve nessa pele em arrepios

luas e contornos
adornos de amor em mim
onde o amor que acompanhe tal beleza?
onde se sustenta
o longo estágio da luz?

onde?
ó deus, há assim?
não mais barreiras
introdução, partitura

meu corpo puro sacrifício
minh'alma fonte de desejos
a face minha
pêssego intacto de todos os gomos
chegam a ti
transformam-se na essência da canção de uma mulher
corola/corolário

ó homem dos acordes!
[um dia sonhei contigo

emoções que borbulharam
bolhas e lágrimas
raspas de luar
taças de champanhe e ervas a voar
rodopiar no céu
ó maravilha

brinca!
brinca, Sergei!



Eliana Mora, em novembro de 2009
Ao som do Concerto Nº 2 para piano e Orquestra, de Sergei Rachmaninoff

2 comentários:

  1. [dançam as palavras entre as notas, os gestos de dança explicados pelo corpo em movimento, a letra decalcada da alma que exausta, se recompensa na dança que as notas tomam das palavras!]

    um imenso abraço, Eliana
    desta margem do ribeiro atlântico

    Leonardo B.

    ResponderExcluir
  2. e assim, quieta, '...na dança que as notas tomam das palavras' -, entrego-te um enorme calor humano, que irá viajar pelo 'ribeiro'...

    um abraço é pouco a te dar, Leonardo, conquanto tenha
    o tamanho do mar

    beijo, El

    ResponderExcluir

Minha poesia agradece.