domingo, 25 de julho de 2010

Entre duas Árvores


Entre duas árvores



Terminei por fazer a casa por ali
era como um porto:
já de há muito conhecido de mim
os dias passam assim
escorrem com o vento que ora vem forte, colorido
e ora dorme
a deixar soltas as borboletas
penduradas no canto de um olhar

o porto espera: já está acostumado a estar cheio
- ou a não ter ninguém.

Ao menos,
saberás onde as pessoas desembarcam.




Eliana Mora, 25/11/2009

8 comentários:

  1. coração é cais de porto onde o desembarque nem sempre é seguro.

    ResponderExcluir
  2. [e haverão tantos mares quantos cais se queiram construir, barcos em abraço por aportar... haverão!]

    um imenso abraço, Eliana

    Leonardo B.

    ResponderExcluir
  3. Pois é, mas...onde porto, onde seguro?

    beijão.

    ResponderExcluir
  4. tantos abraços quanto a mania de acreditar!

    beijo.

    ResponderExcluir
  5. abre os braços
    em silêncio
    [pensamento solto

    beijo.

    ResponderExcluir

Minha poesia agradece.