domingo, 4 de julho de 2010

Gotas e lâminas cortam Sentimentos


Gotas e lâminas cortam sentimentos



são gotas ou são lâminas?


escorrem do meu rosto a me marcar a pele
antiga porcelana
são pedras alfinetes tempestades
desabam sem mais se segurar em nada
lâminas
navalhas que me cortam
e não enxergo muito bem
como se a enchente fosse agora eu mesma
rumo a um destino nem pensado

[e a vida se resume a um só dia?]

como gotas diluídas pelo chão
sou pedaços de verbos
rimas não usadas
mar aquele mar da descoberta
que no princípio faz que tem a data certa
mas chega sem aviso
e estraçalha a pedra e o pó

não sei do tempo

travesti-me de horas liqüefeitas
que escorrem uma a uma nos relógios do mundo
todos até me olham quando em vez
porém eu mesma
não me vejo pronta

ando dividida e costurada
pano de retalho preso n'alma ardente
solo interno a ladrilhar esperas
pela luz brilhante luz


da madrugada




Eliana Mora, 29/11/2006
poema do Baú

4 comentários:

  1. o tempo parece rarefeito, mas ele dá pontos quase imperceptíveis na alma.
    faz uma colcha de retalhos que protege do frio solitário das madrugadas luminosas.

    ResponderExcluir
  2. Fica a fazer-te companhia poema que leste :) Bjs

    TEUS VERSOS
    a paz é um lugar maravilhoso
    onde me sento a ler
    teus versos
    Assim

    ResponderExcluir
  3. e aproveito a viagem para dizer
    que boa carona
    sentei-me, e senti a paz
    [também aqui]

    beijo.

    ResponderExcluir

Minha poesia agradece.