terça-feira, 26 de abril de 2011

Fornalha

Fornalha



temperaturas altas
quentes
moldam ligas
ligas que formam elos
de materiais em combustão
[arte que junta emoção]
e por menos que possa parecer
ganha viscosidade
desenha e cola na distância
o sofrimento e a saudade

coroa o amor
que jamais morrerá.



Eliana Mora, 18/02/2011

6 comentários:

  1. mortalha que aquece / prisioneiro da saudade / tatuado na solidão.

    ResponderExcluir
  2. Você escreve com alma e emoção. Sei desta saudade, esta tatuagem na alma... Lindo poema!
    Bjos

    ResponderExcluir
  3. Temperatura alta adiciona febre, que requer alguma água solene que a aplaque.

    Maravilhoso poema!

    ResponderExcluir
  4. em febre/ dos dias, das sedes/ ah, outrora!

    ResponderExcluir
  5. como todas eterna, dorida
    plantada e crua,
    qual flor esquecida

    beijos,MHelena

    ResponderExcluir
  6. água solene
    regato nos diz:
    sou abençoado

    beijo,

    Eliana

    ResponderExcluir

Minha poesia agradece.