terça-feira, 10 de maio de 2011

O leve chumbo azul

O leve chumbo azul



mãos de ferro
nuvens de marte
gotas de chumbo azuis
[como teus olhos]
estão em meus pensares loucos
e me derramo em súplicas
e me espremo contra as sombras
e sobras de mim mesma
a pedir que sobrevivas

[quero ver de novo o chumbo delicado dos teus olhos]



Eliana Mora, abril/2011

2 comentários:

  1. Só ao poeta é permitido 'perceber'as vozes dos versos, desabrochados como flores nos jardins da alma, reino encantado do seu universo poético...Só ao poeta! Retribuindo e agradecendo o carinho da visita ao 'Lírios de Magdala'. Obrigada.


    bjs/Madá.

    ResponderExcluir
  2. Sempre um prazer, Madá.
    Eu é que te agradeço...

    beijo. El

    ResponderExcluir

Minha poesia agradece.