sábado, 16 de julho de 2011

Jamais o derradeiro passo


Jamais o derradeiro passo


Uma terra estrangeira
ganha espaço no ventre do meu corpo
como se meu país
não me quisesse mais

como se hoje
eu não mais me pertencesse
como se novo julgamento já temesse
porém ainda aqui eu estivesse
quase extraditada do meu ser

desejo ainda me fortalecer
saber como se faz
para apertar de novo aquele mesmo laço
e novamente conseguir
[como fez Shiva]
dar o primeiro e verdadeiro passo

na busca do país que já conheço
que está aqui

[dentro de mim]



Eliana Mora, julho de 2011

6 comentários:

  1. Muito intensa, Eliana!
    Gostei muito dessa poesia, vinda da alma.
    Grande abraço e sucesso!

    ResponderExcluir
  2. Obrigada, Evandro, por vir, pelas palavras,tudo.

    beijo.

    ResponderExcluir
  3. sim, assim como DNA, pele, corpo, alma

    beijo.

    ResponderExcluir
  4. "desejo ainda me fortalecer
    saber como se faz
    para apertar de novo aquele mesmo laço
    e novamente conseguir
    [como fez Shiva]
    dar o primeiro e verdadeiro passo"

    Profundo!!!

    Lindo!!!

    ResponderExcluir
  5. é completamente emotivo para mim 'sentir' teu entusiasmo, queria Anami; obrigada!

    beijo.

    ResponderExcluir

Minha poesia agradece.