terça-feira, 24 de janeiro de 2012

Há que se fabricar tonéis de amor


Há que se fabricar tonéis de amor

 

Rasgo tratados
descubro tordesilhas do meu peito
a desenhar letras de fogo
[aqui cabem ainda
em sulcos
potes e tonéis meio vazios
ah que venham todos os caminhos
caminhantes
amantes da boa letra
da lenta artilharia de palavras secas
aqui bate um rubro 
sentinela coração
na boca um doce odor que sabe a beijo
que teima em perguntar
ainda que a resposta seja clara
: morri?
[cai o pano rápido]


Eliana Mora, 26/7/2010

2 comentários:

  1. [há que fabricar da palavra,

    o traço mais profundo dos mapas do mundo;
    eis!]

    um imenso abraço, Eliana

    Leonardo B.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. ...e com esse traço alcançar
      a distância mais longíngua, ó amigo,

      [também a ti um enorme abraço]

      El

      Excluir

Minha poesia agradece.