sexta-feira, 27 de janeiro de 2012

M A R É






M A R É



Ali
a uns metros da praia
vejo-te todos os dias
a bem dizer amo-te ao por-do-sol
quando as areias parecem ser puxadas
e invadidas
por fragmentos de ondas
que se achegam  graciosamente

na verdade
ali sempre estarei

quem sabe desenrola-te de uma dessas ondas
[ao acaso

e terminas por deitar-se
em colo meu?




Eliana Mora, 02/11/2009
[do Baú]

2 comentários:

  1. Que belíssima obra, Eliana!
    Sensibilidade a flor da pele.
    Grande abraço e sucesso!

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Evandro

      Deixo aqui um abraço de agradecimento e de carinho.

      Eliana

      Excluir

Minha poesia agradece.