sexta-feira, 21 de setembro de 2012

Risco Assumido




Risco Assumido 


Assim
como se o mundo por instantes desmaiasse
e ela nada tivesse a fazer
a não ser pensar
sonhar
ou se perder 
deitou-se devagar nos grãos de areia
úmidos
encolhidos pela bruma de um outono estranho
relaxou
pupilas no céu
e desligou a máquina;
embora
com esse gesto
corresse o risco de tornar-se
humana.


Eliana Mora, 10 de maio/2004

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Minha poesia agradece.