segunda-feira, 4 de fevereiro de 2013

Sabor Crepuscular




Sabor Crepuscular



dessa lembrança dá-me um corpo
e um poema
suave odor colorido
uma bruma e cegueira aos meus sentidos
um cansaço e uma febre assim
no início
de aparência e sabor crepuscular
dá-me do rio a margem
onde posso ainda imaginar algumas trilhas
contenção de águas
sombras a crescer em vias soltas
frondosas úmidas
suaves
dá-me o sabor de enlouquecer
de nada mais querer saber

[e não me acorde mais]



Eliana Mora, 7/05/2009

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Minha poesia agradece.