quinta-feira, 26 de janeiro de 2017

Ele nasce de um amor desconhecido


Ele nasce de um amor desconhecido



Quase indestrutível
intradérmico
intravenoso 

o poema dorme em feitios sagrados de noites 
e de dias túrgidos
qual mucosa de mulher apaixonada
uma placenta

Nas diferentes conchas detentoras de sentidos 
e de sabores e ruídos
forma-se
cresce

O poema fala


[antes de nascer]



Eliana Mora, 05/5/2010

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Minha poesia agradece.