quarta-feira, 26 de julho de 2017

A massa de moldar [do Mundo]


A massa de moldar [do Mundo] 



A marca de todos os dedos
fica em mim
como se fosse a massa de moldar 

do mundo

poderia empurrar o mal
para outro lado
limpar o corpo daquelas manchas
roxas
verdes ou azuis

a marca
os dedos pesados

o chão escravo
a via torta de acesso

a ilusão

A marca de todos os dedos
no vão livre
esmaga 

com pés insensatos
a multidão
ou

[os que não podem mais (r)
existir]




Eliana Mora, 22/07/2017

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Minha poesia agradece.