domingo, 30 de julho de 2017

À procura de um fio de meada


À procura de um fio da meada


Quase nada
apenas a dor 

que percorre o ziguezague do pensamento
e nada de encaixar-se em algum lugar


Sai de lá de dentro
volta
mas nada de acertar
aquele ponto

aquela forma precisa 

No desterro
no aterro
nas calçadas
no perdão


No livre conduzir dos passos
na montanha
na saída
no delírio

[na ilusão]


Eliana Mora, 30/07/2017

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Minha poesia agradece.