domingo, 28 de novembro de 2010

Como obra de Arte


Como obra de Arte



aquele calor
leitura nova de antigo torpor
nas mãos
[conchas do mar

era a espera
aquela espera sem fim
a espraiar-se em cãibras aos milhares
a escorrer lentas
neste corpo

corpo-obra de arte
aqui
eternizado Olympia



Eliana Mora, 28/11/2010

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Minha poesia agradece.