segunda-feira, 9 de setembro de 2013

Tu-a Face



Tu-a Face  


tu
a face (des)conhecida
amanheceu uma noite
em minhas esquinas
 

e a prece que dizia
percorreu todo meu quarto
qual testemunha do tempo

tu
a face não produzida
a voar em rumo oposto

tu
a valsa desconhecida
aglutinada

[em meu rosto]


Eliana Mora, 8/9/13

4 comentários:

  1. Querida Eliana, a sua poesia é uma âncora; e respirando poesia na medida do possível, sigo viagem. Obrigada por existir. Paz e bem, Grauna.

    ResponderExcluir
  2. O "tu" - o outro que nos completa...lindo!

    Abraço do Pedra


    www.pedradosertao.blogspot.com.br

    ResponderExcluir
  3. Graúna, não imaginas a emoção ao ler tuas palavras - vai, e daqui abraço-te, como lenço fino, de muito carinho.

    beijos,
    Eliana

    ResponderExcluir

  4. Pedra querida/o, poucas e contundentes palavras, que se agarram à poesia para me acompanhar,

    beijos,

    Eliana

    ResponderExcluir

Minha poesia agradece.