segunda-feira, 8 de agosto de 2016

Em/canto desconhecido


Em/canto desconhecido




Ali
onde nenhum barco chegou
nem delírio nenhum ousou olhar
estou eu
a imaginar
quantos reféns de mim irei conter
[ou fabricar]
para - ainda que com dificuldade -
alcançar céus menos inchados de chuvas
escondidas
e poder
por pequenos quase instantes
sonhar




Eliana Mora, 08/8/2016

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Minha poesia agradece.