sexta-feira, 7 de julho de 2017

Transmutando


Transmutando



Para o espaço desejado
do sim e do quase tudo
a gente vê o que sente
faz a lua virar marte
transforma a morte em vida
faz o sol mudar de dono

e repara 

que o espesso véu de um Nada
esconde tanta


mas tanta beleza



Eliana Mora, sem data

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Minha poesia agradece.