domingo, 19 de julho de 2009




As framboesas rubras



esferas rubras
cintilantes
dançavam no meu sonho
tal qual partículas de sangue a percorrer-me as veias
um mundo antigo a esparramar-se em doces
e robustas framboesas
pedintes
distraídas
a dar-se [sem perguntas]

à mão
que as colhesse



Eliana Mora, 2007
Poema do Baú

6 comentários:

  1. Esse teu baú é precioso, mas, por culpa tua, agora desejei framboesas... rss

    Lindo, El, como sempre!

    Beijos mil

    Ada

    ResponderExcluir
  2. Este mar de fresco azul
    Estas pedras sentinelas constantes
    Estas ondas que adormecem nelas
    Vieram do mundo em formas navegantes

    O amargo das uvas verdes
    Cede ao sorriso do astro rei
    O doce invade os sentidos
    E a ternura impõe a sua lei


    Boa semana


    Mágico beijo

    ResponderExcluir
  3. Essas frutinhas rubras têm mesmo uma capacidade de atrair a gente. E nem ´s só aqui, mas em todo o mundo.
    Beijo, querida.

    ResponderExcluir
  4. É só eu ir a João Pessoa....aí...

    beijo, mil sempre obrigadas

    El

    ResponderExcluir
  5. Ó Profeta

    Vi teu poema inteiro, uma beleza -agradeço a surpresa, a visita, teu jeito.

    beijos da El

    ResponderExcluir
  6. Ah, tu é sfã, heim?
    Pois é, falemos pois de tudo o que é saboroso [e das entrelinhas, pessoalmente...]

    beijo, Deda

    ResponderExcluir

Minha poesia agradece.