terça-feira, 24 de agosto de 2010

V I D A



Vida



por vezes nela penso como algo que tem asas
unhas até dentes
deusa
a quem nos vamos ofertar
e que ao transformar-se em obra-prima
torna-nos

escravos




Eliana Mora, sem data

6 comentários:

  1. eliana mora...!

    seu blog para mim foi um grande achado. gostei dos poemas que li de sua autoria e dos versos dos outros poetas!

    em materia de poesia, tudo aqui é transbordante!

    um beijo !

    ResponderExcluir
  2. e eu...amei amanhecer ao som de tua escrita!

    obrigada por isso!

    beijo!

    ResponderExcluir
  3. Moldamos e somos moldados... é arte em duplo sentido e não se sabe qual o mais artista e o mais obra...

    Belíssimo, Eliana! Bjs! ;)

    ResponderExcluir
  4. criador torna-se 'criado' - assim a eterna dupla 'submissão' se constrói

    beijos, especiais!

    ResponderExcluir
  5. com queria adormecer embolado em seus versos!

    ResponderExcluir
  6. pois tome-os, enrede-se, curta-os,
    sinta a poesia na alma!

    ResponderExcluir

Minha poesia agradece.